23 de jun de 2014

A Survivor Is Born: Lembranças Vagas


Bom aqui está o primeiro capítulo da história, gostaria que vocês comentassem o que acharam e podem dar opiniões e sugestões, ficarei feliz! Boa leitura ;)

   A noite caia e a neve junto dela, trazendo o inverno gelado. Jodie observava de sua janela, os pequenos pontinhos brancos caírem na escuridão. Era sua única lembrança boa de tudo o que havia acontecido. Ruas devastadas, centros comerciais destruídos, poucos sobreviventes. A humanidade foi tomada pelo vírus, aquele que víamos em séries, filmes, livros de ficção, o que transforma as pessoas mais simples e saudáveis em monstros canibais, com sede de sangue. Aquele que não mais era uma lenda ou uma história, mas que agora era real, e se tornava um medo para quem havia sobrado desse apocalipse.
   Jodie se lembra vagamente de quando tudo começou. Aos seis anos, quando o mundo começava a virar um caos, estava ela sendo encontrada por Hayley. Carros incendiados, pessoas gritando e correndo. Ela segurava firmemente a mão de sua mãe que repetia varias e varias vezes "Aconteça o que houver, não solte minha mão". Em meio ao pânico, sua mãe gritava desesperada por seu pai, tentando acha-lo. Nada. Entraram em um beco, se abaixaram atrás de caixas de papelão e sacos de lixo, ficando em silêncio. Jodie observava o medo nos olhos de sua mãe, que lacrimejando, apertava a filha contra os braços.
- Mamãe, onde está o Papai?
- Querida - Começando a chorar falou - Seu pai está bem, logo vamos encontra-lo.
- E nós vamos para casa?
- Não, nós vamos ter que encontrar outro lugar para morar.
   Jodie a abraçou fortemente, "Não se preocupe querida, eu estou aqui", disse sua mãe. De repente um infectado entrou no beco, Jodie gritou e ele partiu para cima delas. Sem pensar duas vezes sua mãe correu, se misturando a multidão em pânico novamente. Havia zumbis e pessoas em toda parte, explosões de carros em chamas, não havia para onde correr. Com a filha em seu colo ela estava em desespero, e com medo de perde-la. Entrou em um prédio e subiu ao ultimo andar. Coisas jogadas para todos os lados, sangue, mas nenhum corpo ou sinal de vida. Entrou em um quarto e trancou a porta. Dali, apenas ouviam os ruídos do desastre lá fora.
- Aqui nós estamos seguras. - Disse a mãe de Jodie, colocando-a na cama.
- Mamãe cuidado!
   Uma mulher infectada saiu do banheiro e foi para cima de sua mãe que sem pensar duas vezes tentou proteger a filha. Jodie gritava, sua mãe caiu ao chão junto a criatura. Com todas as forças tentava impedir que à mordesse. Os gritos e gemidos da infectada eram agonizantes, Jodie se encolhia e chorava de medo. Sua mãe alcançou um pedaço de ferro dentro do armário ao seu lado e o enfincou na criatura, bem em sua cabeça, fazendo-a gemer e soltar ruídos de dor até se dar por morta. Ela levantou ofegante e com sangue em suas roupas, Jodie ia correr ao seu encontro porem ela negou contato físico.
- Estou suja, não chegue perto.
- Mas Mamãe...
- Você pode ficar doente, eu não quero que isso aconteça.
- Mamãe você está machucada.
   Jodie apontou para uma grande mordida sangrando no braço de sua mãe. Ela apenas a observou e caiu de joelhos no chão. Jodie se aproximou e a abraçou chorando. Sem dizer nada, sua mãe a pegou nos braços e a colocou dentro do armário. Chorando e passando a mão carinhosamente em seus cabelos castanhos disse:
- Querida, eu te amo muito e eu preciso que você fique aqui, escondida, em silêncio.
- Sim Mamãe.
Sua mãe colocou em seu pescoço um colar de ouro, que tinha um pingente com uma estrela de Davi, "Cuide dele para mim" disse ela, e saiu, trancando a porta.
   Dois dias se passaram, Jodie estava com frio, fome, sede. Estava com a cabeça recostada, segurando as pernas junto ao corpo. Ouviu alguns barulhos, passos se aproximavam. A porta rangeu ao se abrir, Jodie se encolheu, mas ao mesmo tempo tentou observar quem se aproximava, se era sua mãe quem voltava. Uma mulher alta de pele morena, cabelo cacheado, equipada com armas entrava no quarto. Jodie tentava ao máximo não fazer barulho, nem se ouvia sua respiração. A mulher se abaixou para examinar o cadáver da infectada que sua mãe matara, e ao fazer isso enxergou a menina. Jodie ficou com medo, mas Hayley foi amigável.
- Olá! - disse ela com um ar preocupado - Você está perdida? Não tenha medo.
- Não - Jodie saiu de seu esconderijo - Minha Mamãe ficou machucada e ela foi se curar, mas ela vai voltar.
- Querida, me desculpe mas sua mãe não vai voltar. Ela ficou machucada e foi embora para você não ficar... doente também. Não se preocupe, eu posso cuidar de você.
Jodie não disse nada, estava confusa e com medo.
- Pode confiar em mim. Meu nome é Hayley, e o seu?
- Jodie.

Um comentário:

  1. Nossa! Você escreve super bem. Quero ler mais da sua história, com certeza. Adoro histórias com zumbis, e fiquei super curiosa pra saber o que vai acontecer com a Jodie!

    http://minhas-escritas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir